Fomos ao teatro: Os Maias

11934950_1173158412724185_5893787863822292271_n

 

Na fotografia, vemos alunos de várias turmas do 11.º ano da Escola Secundária de Gondomar (e de uma outra escola também) misturadinhos com os atores que são (e fazem) a companhia ETCetera, que nos proporcionou um belo e  divertido momento de aprendizagem.

A imagem foi pedida “emprestada” ao facebook da companhia, como podemos ver aqui: https://www.facebook.com/EtceteraTeatro/

Depoimentos breves

“A ida ao Auditório Municipal de Gaia motivou-me para o estudo da peça queirosiana. Gostei particularmente de Dâmaso Salcede, pois é uma personagem cómica, e de Carlos da Maia, por todo o enredo se passar à volta dele e também por ser um homem culto.

Para mim, o momento mais intenso em palco aconteceu quando se descobriu que Carlos da Maia e Maria Eduarda eram irmãos.”

Maria Inês

“Pensamos que a dramatização de Os Maias pela companhia ETCetera nos motivou para a leitura da obra de Eça, pois na peça havia personagens engraçadas, como o pedante Dâmaso que era “chic a valer”. Para além deste, também gostamos da figurante que, no início da representação, vendia jornais! A nossa Catarina.

Screenshot_2016-02-22-17-19-40

Quanto aos diferentes momentos em palco, o mais dramático, para nós,  surgiu quando o protagonista, Carlos da Maia, descobre que a sua amada, Maria Eduarda, é, na verdade, sua irmã.

E o momento mais apreciado por nós deu-se, sem dúvida, quando Dâmaso escreve a carta para Carlos, ditada por João da Ega.”

Rita, Pedro Silva e Pedro Coelho

“Ao ver a peça de teatro fiquei mais motivada para a leitura de Os Maias. Ega foi a personagem em palco de que mais gostei, pois ele esteve presente na cena que eu considero a mais engraçada – quando foi expulso da casa do banqueiro Cohen. 

Para mim o momento mais dramático surgiu no momento em que Maria Eduarda descobre, por Ega, que era irmã de Carlos, com quem tencionava casar.”

Ana Beatriz

“Assistir à dramatização de Os Maias serviu como estratégia de incentivo à leitura e estudo da obra queirosiana. De todas as personagens aquela de que mais gostámos foi Dâmaso, devido ao seu carácter cómico.

Para nós, o momento mais intenso foi a morte de Afonso da Maia, provocada pelos desgostos da sua velhice, principalmente por ter descoberto o caso amoroso entre os dois netos.

Já o momento mais hilariante, na nossa opinião, sucedeu quando João da Ega obrigou Dâmaso a desmentir a publicação no jornal A Corneta do Diabo, através de uma carta destinada a Carlos.”

Diana e Sérgio

“A dramatização de Os Maias “serviu” para nos motivarmos para o estudo da obra. É uma peça interessante, bem conseguida, que nos revela principalmente os acontecimentos da intriga principal do romance.

Dâmaso foi a personagem que mais nos “agarrou”, pois sobressai pelo seu bom humor, ou melhor, porque está bem caricaturado. 

Na nossa opinião, a cena mais dramática aconteceu quando Carlos descobre que a sua amada é, na verdade, a sua irmã. Já o momento hilariante surgiu na cena em que Dâmaso regressa da sua viagem à terra e encontra Carlos em casa de Maria Eduarda.”

Maria Alexandra e João

“Com a nossa viagem ao mundo do teatro, consegui ter uma visão resumida da obra Os Maias, de Eça de Queirós, o que me deu mais motivação para continuar a ler o romance.

Em palco houve uma personagem de quem gostei particularmente, João de Ega, pois, para além de ser hilariante (realço o momento em que o banqueiro Cohen descobre o caso da sua Raquel com Ega), é irónico e bastante consciente da sociedade portuguesa.

Para mim, houve um momento bastante dramático – quando os dois amantes, Carlos e Maria Eduarda descobrem que, na verdade, são irmãos.”

Cristina

“Esta nossa ida ao teatro deixou-me muito mais entusiasmada para continuar a ler Os Maias. Dâmaso Salcede foi, sem dúvida, a personagem de que mais gostei, sendo muito bem interpretado pelo ator que encarnou muito bem a caricatura que Eça de Queirós criou no seu romance.

O momento mais dramático, para mim e para os meus colegas (julgo eu), foi a descoberta da relação incestuosa: afinal, Maria Eduarda e Carlos são irmãos! Foi uma cena que contrastou com o cómico que dominou quase toda a dramatização.

Também gostei muito da cena em que Dâmaso é obrigado por Ega a confessar, em carta, que é alcoólico crónico e, por isso, teve de desmentir o que estava escrito no jornal A Corneta do Diabo.”

Daniela

“Após termos assistido à dramatização do romance de Eça de Queirós, sentimo-nos, sem dúvida, mais motivados para o estudo da obra. Entre as várias personagens em palco, destacamos o protagonista Carlos da Maia e a sua “sombra”, Dâmaso Salcede, devido também às excelentes representações de ambos.

Para contrastar, claro, temos um momento dramático vivido, primeiro, por Carlos e, depois, por Maria Eduarda: quando descobrem que são irmãos!

Já, para nós, o momento mais hilariante dá-se quando o conde de Gouvarinho fala com Carlos, voltado para o público, enquanto o jovem médico e a sua mulher se envolvem amorosamente sem ele dar por isso. Parece que se chama “gouvarinhar”…” 🙂

Catarina, Inês Peixoto, Inês Santos e Maria Rocha

“Ir ao teatro ver Os Maias motivou-nos para o estudo do romance, pois foi uma forma mais fácil e divertida de nos dar a conhecer as personagens e a sua história.

Gostámos muito de ver Dâmaso Salcede, João da Ega e Carlos da Maia, cujos atores, a nosso ver, representavam muito bem! Tivemos pena que o Eusebiozinho não tivesse aparecido, pois também seria bem divertido, com certeza.

Para nós a “grande” cena acontece quando Ega obriga Dâmaso a escrever uma carta para Carlos, onde se confessa alcoólico, pois para além de estar representado esse momento do romance, também houve algum improviso, ao se brincar com a ortografia de certas palavras.”

Ana Rita e Gonçalo

“O visionamento da adaptação teatral de Os Maias, de Eça de Queirós, motivou-nos para o estudo da obra. Foi uma adaptação dramática simples, com poucos atores, e, ao mesmo tempo, cómica.

As personagens em palco de que mais gostámos foram duas: Carlos da Maia, devido à sua intelectualidade e vasta cultura e ao processo de amadurecimento que revela ao longo da atuação e Dâmaso Salcede, pois, com a sua faceta extrovertida e pedante, deu grande comocidade a esta representação.

Na nossa opinião, o momento mais dramático foi a discussão entre Carlos e Maria Eduarda, quando este descobre aspetos do passado da jovem que ele desconhecia. Por outro lado, o momento mais hilariante aconteceu quando Ega obriga Dâmaso a escrever um desmentido relativamente ao que tinha mandado publicar na Corneta do Diabo.”

Jéssica, Joana Costa e Joana Rodrigues.

Anúncios

Dia de São Valentim 2

Ainda com Almada Negreiros, o Amor a cores, como convém…

E, corrigindo Camões, Amor é fogo que arde e (bem) se vê!…

18 almada negreiros

A Taça de Chá

O luar desmaiava mais ainda uma máscara caida nas esteiras bordadas. E os bambús ao vento e os crysanthemos nos jardins e as garças no tanque, gemiam com elle a advinharem-lhe o fim. Em róda tombávam-se adormecidos os idolos coloridos e os dragões alados. E a gueisha, procelana transparente como a casca de um ovo da Ibis, enrodilhou-se num labyrinto que nem os dragões dos deuses em dias de lagrymas. E os seus olhos rasgados, perolas de Nankim a desmaiar-se em agua, confundiam-se scintillantes no luzidio das procelanas.

Elle, num gesto ultimo, fechou-lhe os labios co’as pontas dos dedos, e disse a finar-se:–Chorar não é remedio; só te peço que não me atraiçoes emquanto o meu corpo fôr quente. Deitou a cabeça nas esteiras e ficou. E Ella, num grito de garça, ergueu alto os braços a pedir o Ceu para Elle, e a saltitar foi pelos jardíns a sacudir as mãos, que todos os que passavam olharam para Ella.

Pela manhã vinham os visinhos em bicos dos pés espreitar por entre os bambús, e todos viram acocorada a gueisha abanando o morto com um leque de marfim.

A estampa do pires é igual.

Almada Negreiros, in ‘Frisos – Revista Orpheu nº1’ (de acordo com a ortografia de 1915)

IA