Frei Luís de Sousa

Caros alunos do 11.º ano, para quem gosta de cinema (quase teatro), tem aqui a obra de João Botelho Quem és tu?, filme baseado no drama garrettiano.

Aconselha-se o visionamento a partir do minuto 23:56.

Por que será?

Bom visionamento!

IA

Anúncios

Robin Hood – a sociedade feudal

Neste segmento fílmico do épico realizado por Ridley Scott, podemos ver uma sociedade estratificada, com regras bem precisas, destacando-se convenções sociais bem rígidas (reparem que o herói, mesmo tendo o título de “Lord”, ou seja, é fidalgo, nobre, não pode olhar diretamente para a rainha-mãe, Lady Eleanor, sua suserana,) e o princípio de vassalagem (enquanto dialoga com a rainha e o novo rei, Robin permanece ajoelhado e preferencialmente cabisbaixo). Aliás, antes do encontro ele é advertido sobre o modo como proceder.

Repare-se também no símbolo do Cristianismo – a cruz – presente nas vestes destes nobres guerreiros.

Este é um filme que recomendo a quem quiser fazer uma breve revisão sobre as sociedades medievais. As relações e as convenções sociais influenciavam as relações interpessoais e vida emotiva/emocional (como já vimos nos cantares de amor, em que o sujeito poético se comporta com a dama como um vassalo o faz para com o seu senhor). Lady Eleanore, mãe do rei falecido, é obrigada a refrear a dor da perda do filho mais velho, porque só ela pode coroar o seu segundo filho, como novo rei.

O comportamento do rei recém-coroado também é significativo: preparava-se para recompensar o nobre que lhe trouxe a coroa mas, lembrando-se de que o pai do seu vassalo estava atrasado com o pagamento do imposto que lhe era devido, recuou no gesto de gratidão.

Espero que o vosso inglês esteja bem afinado, porque não há legendas!

Boas aprendizagens!

IA

Lírica Trovadoresca: um breve regresso e uma sistematização completa

Meus caros alunos, começo por convidar-vos a revisitar este artigo, disponível no seguinte link: 

https://isauraafonseca.wordpress.com/2015/10/16/um-cantinho-para-o-amor-cortes/

E, depois, partiremos para este pequeno filme, da autoria de Joaquim Matias da Silva e disponível no YouTube.

Aconselho o visionamento de apenas três sequências, ocorrendo, por isso, corte de informação para vós excedentária:

  • primeira sequência: do início até ao minuto 1:20;
  • segunda sequência: do minuto 13:30 até ao 21:40;
  • terceira sequência: do minuto 27:00 até ao fim.

Nestas três sequências são-vos apresentadas as principais características temáticas e formais das cantigas de amigo, de amor, de escárnio e de maldizer, que constituem o lirismo trovadoresco.

Se por acaso alunos de Literatura Portuguesa “tropeçarem” neste cantinho do Paraíso, aconselho o visionamento de todo o filme, pois é um verdadeiro “banquete”, no que diz respeito aos (sub)géneros e às respetivas características formais e temáticas do Trovadorismo Medieval.

Boas viagens literárias!

IA