11.º 2 – Texto de apreciação crítica sobre “À Procura dos Cachalotes”

A atividade é a mesma e está descrita no artigo anterior.

Eis aqui a ficha técnica (criada pelos alunos) a partir da qual a turma 2 do 11.º ano “brincou aos críticos cinematográficos”.

FICHA TÉCNICA

Título:À Procura dos Cachalotes
Realizador: João Eunice
Elenco: 
Madalena Cardoso - Ana
John Ótu - Gonçalo
César Gonçalves - Tomé
Género: Drama

Abaixo seguem alguns dos textos produzidos, aqueles que os alunos quiseram disponibilizar aqui.

Boas leituras!

IA

O sucesso dos Cachalotes

Por Sofia Ramos

   Realizado por João Eunice, À procura dos Cachalotes é o filme mais esperado este ano, estando já nomeado para receber um Óscar.

   Estamos no dia 4 de março de 2001, mais precisamente no dia da tragédia de Entre-os-Rios. Ana, interpretada por Madalena Cardoso, e Tomé, César Gonçalves, mais conhecidos pelo seu invulgar apelido, os Cachalotes, encontravam-se no autocarro que atravessava a ponte Hintze-Ribeiro, quando esta ruiu, levando com ela a vida de vários portugueses.

   Gonçalo, representado por John Ótu, é primo de Ana e vê a tragédia acontecer mesmo à sua frente. Apesar dos perigos, atira-se ao rio em busca da sua família.

   São poucas as críticas negativas a esta longa-metragem que segue de perto a ruína de uma ponte do Douro e que, apesar de se focar numa só família, representa extraordinariamente bem todos os sentimentos controversos que esta tragédia nos trouxe.

   Para além da arrebatadora representação dos atores, toda a equipa de produção deste drama foi bastante competente, cumprindo o guião até ao mais ínfimo pormenor.

   Com a sua habilidosa técnica, João Eunice transporta-nos para o início do século XXI e dá-nos a conhecer um pouco da nossa história, um caso que abalou profundamente Portugal e que irá abalar os ecrãs dos nossos cinemas brevemente.

À procura dos Cachalotes retrata a aflição humana vivida por Gonçalo quando este tenta salvar os entes queridos duma situação incerta. Por esta realidade ser tão bem conseguida, pode-se afirmar que será o próximo blockbuster nas salas cinematográficas portuguesas.

À procura dos cachalotes: um drama pouco usual, mas cativante

por Liliana Mourão

Tem casais perturbados, doentes mentais, estudantes emocionalmente perdidos e tudo o que possamos imaginar.

Este filme de João Eunice começa com uma premissa desencadeadora de novas situações: um anúncio publicitário que apresenta o carácter celestial da vida marinha com a presença de cachalotes a nadarem levemente nas águas profundas. Este anúncio promete mudar vidas com uma mensagem final: “A vida simplesmente passa e não abraçamos a natureza e a aquilo que realmente amamos. Levante-se e viva!”. Movidos com a intensidade da publicidade, Ana, Tomé e Gonçalo abrem os olhos, decidem mudar as suas vidas e embarcar nos seus seus sonhos.

Ana (Madalena Cardoso) termina o seu relacionamento online, que dura há três anos. Tomé (César Gonçalves), rapaz revoltado, com 22 anos, desiste do curso de fotografia e decide declamar poesia nas ruas movimentadas da cidade do Porto. Gonçalo (John Ótu), professor solitário  cumpre o seu desejo de adolescente e torna-se stripper nas suas noites livres.

Esta longa metragem apresenta, em várias perspectivas, as vidas destes personagens e a sociedade em que vivem. Numa produção cinematográfica como esta, apenas podíamos contar com atuações de grande qualidade. Realça-se, principalmente, a brilhante interpretação de César Gonçalves, graças à sua figura bastante natural e hilariante (o que alivia os momentos de tensão que vão surgindo ao longo do enredo).

A fita possui ângulos tão simples e tão bem definidos que fazem com que a história seja mais realista e, por vezes, um pouco mais leve. A banda sonora é praticamente inexistente, o que apoia a natureza objetiva da obra. É um drama que nos faz sentir diversas emoções, no mesmo período de tempo.

Concluindo, recomenda-se vivamente o visionamento deste filme tão peculiar e apaixonante!

 À procura dos Cachalotes e a nossa humanidade

por Joana Ribeiro

 

        O drama À procura dos Cachalotes, de João Eunice já se encontra em todos os cinemas do país.

        Resultante de uma grande metáfora, o título deste filme tem escondido o verdadeiro conteúdo desta obra cinematográfica. Tal como os cachalotes são animais de grande porte, também os sentimentos existentes no mundo, sejam bons ou nefastos, o são. De tal grandiosidade se trata a história deste filme. Mas, para além da metáfora referida, existe ainda outra. Esta consiste no seguinte: tal como os cachalotes estão em vias de extinção, também os afetos benéficos se encontram nessa situação. Ao longo desta longa-metragem, podemos observar vários casos, de várias perspetivas, que tratam desta carência de sentimentos positivos que existe no nosso dia-a-dia e, nos quais, vemos a procura de soluções para este problema.

      Pela grande importância deste tema na atualidade e pela participação de três nomes gigantes do cinema português, Madalena Cardoso (no papel de Ana), César Gonçalo (Tomás) e John Otú (na pele do protagonista Gonçalo), este filme é uma ótima escolha e uma obra a que todos devemos assistir para refletir um pouco sobre a nossa humanidade.

À procura dos Cachalotes

Por Diana Silva

 

Acabou de estrear o melhor drama, da autoria do jovem realizador João Eunice, que nos conta a envolvente tragédia de uns jovens marinheiros em alto mar.

Uma das cenas mais marcantes da película dá-se quando o capitão Tomé (César Gonçalves) procura, em alto mar, as famosas Cachalotes, enquanto a única rapariga da tripulação, Ana, interpretada por Madalena Cardoso, e Gonçalo (John Ótu), com quem vive uma relação secreta,  estavam  no porão da embarcação. De repente, o barco fica cercado pelos assustadores animais, que vão contra o mesmo. Ana e Gonçalo apercebem-se da situação e ajudam o capitão. Mas, com o barco a abanar, a jovem  cai ao mar. O namorado secreto salta e consegue salvá-la. Contudo, quando estava a subir a escadas, uma das baleias puxou-o e… E mais não se conta.

É um filme adequado aos adolescentes, mas também a todos os adultos, uma vez que nos permite perceber melhor a nossa relação com os animais e o que o amor nos pode fazer (mesmo que não seja o mais correto).

Aconselha-se todos a irem ver À Procura dos Cachalotes e a apaixonarem-se por esta trágica história de amor.

Publicado por

isauraafonseca

Professora do Ensino Secundário - Português

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s