Lado Esquerdo – Clã

Uma outra abordagem à dicotomia SENTIR/PENSAR, que está na base de parte da produção poética de Pessoa ortónimo, é o que vos proponho hoje.

Uma canção e uma atividade.

  1. Proceda à audição do tema, da autoria da banda musical Clã, e faça o levantamento das diferentes expressões que estão associadas ao “lado esquerdo”.
  2. Caracterize o “outro” lado.
  3. Explicite a relação que esses dois lados do sujeito poético estabelecem com a dicotomia pessoana SENTIR/PENSAR.

Bom trabalho!

IA

Anúncios

Os Media: vantagens e desvantagens

Começaremos hoje uma série de artigos que permitam fazer uma reflexão acerca do impacto dos (mass) media na formação de cada ser humano, enquanto indivíduo e enquanto cidadão (do mundo). E vem isto a propósito, porque na nossa escola o tema abrangente para todos os projetos a desenvolver é “Os Media“.

O título deste artigo, dada a natureza do documento audiovisual aqui apresentado, poderia ser “Quando não é possível visitá-los, os pintores vêm até nós”. E “vêm”, com todos os movimentos que nela estão implicados, é a forma verbal adequada!

Senão, vejam!

Atividade proposta, a realizar, em família, com os pais/EE e outros que tais…

Partindo da observação do vídeo, proceda ao levantamento

  1. de duas vantagens dos Media na divulgação dos fenómenos artísticos;
  2. e de possíveis contributos para a construção de uma sociedade mais justa, constituída por cidadãos bem (in)formados.

Obrigada, David, por esta maravilha!

Bom trabalho!

IA

Tentando afinar-me num agosto “desafinado”

Dia para ouvir João Gilberto

E para (re)ler um poema de Al berto que parece enquadrar-se com a “reclusão” que João Gilberto viveu nos últimos anos da sua vida.

14 de janeiro

 

todo o santo dia bateram à porta. não abri, não me apetece ver pessoas, ninguém.
escrevi muito, de tarde e pela noite dentro.

curiosamente, hoje, ouve-se o mar como se estivesse dentro de casa. o vento deve estar de feição. a ressonância das vagas contra os rochedos sobressalta-me.

desconfio que se disser mar em voz alta, o mar entra pela janela.

sou um homem privilegiado, ouço o mar ao entardecer. que mais posso desejar?

e no entanto, não estou alegre nem apaixonado. nem me parece que esteja feliz.

escrevo com um único fim: salvar o dia.

 

Fiquem bem!

IA

Verão Azul e Os Pequenos Vagabundos

Procuremos o azul que hoje nos falta e revivamos, com esta pequena reportagem, outros verões ou verãos cheios de azul, de mistério e de aventura.

As duas séries estiveram bem presentes na minha vida: a segunda, na infância; a primeira, já na adolescência. Lembro-me bem de, no recreio da escola, brincar com os colegas aos “Pequenos Vagabundos”. Quando veio o “Verão Azul”, já era mais crescidinha e as brincadeiras de imitação já tinham terminado. Mas gostava da história e não perdia um único episódio.

Boas viagens!

IA 

Uma vitória, uma moeda – 2019

Imagem relacionada

Ainda não começou o campeonato da Primeira Liga de Futebol 2019-2020, mas já podemos começar a amealhar vitórias, ou a preparar-nos para… 

Relembro esta iniciativa solidária, lançada no ano passado. 

Por cada vitória da nossa equipa preferida, metemos uma moeda (à nossa escolha) num mealheiro, que abriremos no final do campeonato. Com o valor apurado, podemos ajudar uma instituição social. O meu mealheiro vai para a APPDA Norte.

Podemos também amealhar as vitórias da Seleção Nacional ou de mais equipas. Podemos jogar com outras modalidades desportivas. Enfim, tantas possibilidades! Cada um tem total liberdade na gestão do seu mealheiro. Haja moedas suficientes para tantas vitórias!

Anexo de novo a história da Maria Clara Miguel, que, de forma descontraída, avança com muitas sugestões.

Um pensamento positivo

E termino este artigo com votos de excelentes férias de verão, finais (de jogos) felizes e um dos setenta temas musicais selecionados por um dos meus realizadores preferidos – Quentin Tarantino!

É um dueto bastante harmonioso… Não sei se se adequa ao contexto competitivo que impera no mundo desportivo, mas fica a título de convite… Como se fóssemos juntos, mesmo sendo “rivais”, assistir a um empolgante jogo…

Viens, Mallika!

IA

Revivendo (nostalgicamente) o passado no verão

Do emblemático álbum  “The Wall”, dos Pink Floyd, um dos meus temas preferidos, com duas vozes extra(ordinárias). O “dono” de uma delas, infelizmente, já partiu.

Comfortably Numb

Eddie Vedder, a solo:

Bowie, a solo:

Em espanhol, uma “Oracion”, de Heroes del Silencio:

Por fim, um “Everybody Hurts”, com (algum) alento…

Não. Afinal, ainda não era “por fim”.

Escrita por Paul Anka, em parceria com  Jacques Revaux, autor do tema francês “Comme d’habitude”, interpretado inicialmente por Claude François, foi imortalizada por Sinatra. Mas eu escolhi o Anka:

E o tema em francês, numa versão mais fresca:

Agora, sim, é o fim! 

Continuação de um bom Verão (?)!

IA