Fim do 2.º período com

um dos temas do filme “Cinema Paraíso”

e um poema de António Ramos Rosa.

A Festa do Silêncio

Escuto na palavra a festa do silêncio. 
Tudo está no seu sítio. As aparências apagaram-se. 
As coisas vacilam tão próximas de si mesmas. 
Concentram-se, dilatam-se as ondas silenciosas. 
É o vazio ou o cimo? É um pomar de espuma. 

Uma criança brinca nas dunas, o tempo acaricia, 
o ar prolonga. A brancura é o caminho. 
Surpresa e não surpresa: a simples respiração. 
Relações, variações, nada mais. Nada se cria. 
Vamos e vimos. Algo inunda, incendeia, recomeça. 

Nada é inacessível no silêncio ou no poema. 
É aqui a abóbada transparente, o vento principia. 
No centro do dia há uma fonte de água clara. 
Se digo árvore a árvore em mim respira. 
Vivo na delícia nua da inocência aberta. 

António Ramos Rosa, in “Volante Verde” 

Fiquem bem!

IA

Anúncios

Intervalando com 2CELLOS – Hallelujah

Já aqui tivemos duas vezes Leonard Cohen. Esta peça esteve pelo Natal, na voz de Rufus Wainwright, acompanhado de tanta, tanta gente…

E, agora, 2CELLOS, com o grande Hauser:

E K. D. Lang, numa das minhas versões favoritas:

Boas viagens!

IA

Intervalando com um momento em que se fala de loucura e…

Procurava o episódio de Isto é Arte que vi no domingo. Tratava de Leonardo da Vinci, enquanto pintor, escultor, inventor… Enfim, um verdadeiro homem do Renascimento. Não o encontrei no youtube, mas descobri estes pequenos excertos do mesmo programa e achei que deviam estar aqui. Estão em espanhol, mas é possível recorrer às legendas.

Ensinar os mais novos a olhar e ver a arte: o mito bíblico David pelos olhos e mãos de pintores e escultores. Rámon Gener é, de facto, um brilhante comunicador!

E, finalmente, encontrei este curriculum vitae de Leonardo e uma breve referência a O principezinho!

Boas viagens!

IA