Van Gogh e Dvorak, um encontro possível

É uma espécie de banda sonora para um poema (?) que nasceu de uma paisagem que mora no Bem-Vindo ao Paraíso. Mesmo pertinho daqui, no artigo anterior.

Certa planície francesa

 

Há um silêncio suspenso no azul que se inclina

em verdes matizados

três aves pernaltas que são árvores

(talvez flamingos?)

aconchegam na sua sombra

outras aves aninhadas que são arbustos

 

à esquerda

o cabelo palha de um homem

confunde-se com o verde-palha

de amontoados pés de trigo em repouso

parece suster nas mãos um livro aberto

que desfia o silêncio

 

há palavras que gritam no livro

 

flores vermelhejam ao centro

em primeiro plano

brancos turvos

hesitam

semeiam-se

e esperam que o silêncio dê lugar ao canto

 

onde moram os pássaros chilreantes?

 

cogitam os campos  estendidos

em lânguidas mantas de retalhos

lânguidas mantas de retalhos

que dormem à espera de um beijo

um beijo que as estremeça de vida

da vida que brota do silêncio demiurgo

 

uma folha balouça ao vento

e outras palavras gritam no coração

do homem que não existe

mas parece existir na turvação

dos olhos aninhados na sinfónica paisagem

 

mas se existe no olhar turvo

existe

existe como existe o silêncio

que se vê pintado de azul e verde

e de outros amarelos-verdes suspensos

nessa imensa tela goghiana…

IA

 

“Come a little bit closer”…

Uma forma suave de começar 2020… Com uma versão, por mãos portuguesas, de um clássico da autoria de Neil Young.

Harvest Moon

«Come a little bit closer
Hear what I have to say
Just like children sleepin’
We could dream this night away

But there’s a full moon risin’
Let’s go dancin’ in the light
We know where the music’s playin’
Let’s go out and feel the night

Because I’m still in love with you
I want to see you dance again
Because I’m still in love with you
On this harvest moon

When we were strangers
I watched you from afar
When we were lovers
I loved you with all my heart

But now it’s gettin’ late
And the moon is climbin’ high
I want to celebrate
See it shinin’ in your eye

Because I’m still in love with you
I want to see you dance again
Because I’m still in love with you
On this harvest moon»

 

Um bom ano para todos!

IA

 

Natal 2019

Um Santo Natal para todos!

IA

na hora de pôr a mesa, éramos cinco

na hora de pôr a mesa, éramos cinco:
o meu pai, a minha mãe, as minhas irmãs
e eu. depois, a minha irmã mais velha
casou-se. depois, a minha irmã mais nova
casou-se. depois, o meu pai morreu. hoje,
na hora de pôr a mesa, somos cinco,
menos a minha irmã mais velha que está
na casa dela, menos a minha irmã mais
nova que está na casa dela, menos o meu
pai, menos a minha mãe viúva. cada um
deles é um lugar vazio nesta mesa onde
como sozinho. mas irão estar sempre aqui.
na hora de pôr a mesa, seremos sempre cinco.
enquanto um de nós estiver vivo, seremos
sempre cinco.José Luís Peixoto, in ‘A Criança em Ruínas

Voto de Natal

Acenda-se de novo o Presépio no Mundo!
Acenda-se Jesus nos olhos dos meninos!
Como quem na corrida entrega o testemunho,
passo agora o Natal para as mãos dos meus filhos.

E a corrida que siga, o facho não se apague!
Eu aperto no peito uma rosa de cinza.
Dai-me o brando calor da vossa ingenuidade,
para sentir no peito a rosa reflorida!

Filhos, as vossas mãos! E a solidão estremece,
como a casca do ovo ao latejar-lhe vida…
Mas a noite infinita enfrenta a vida breve:
dentro de mim não sei qual é que se eterniza.

Extinga-se o rumor, dissipem-se os fantasmas!
O calor destas mãos nos meus dedos tão frios?
Acende-se de novo o Presépio nas almas.
Acende-se Jesus nos olhos dos meus filhos.

David Mourão-Ferreira, em ‘Cancioneiro de Natal’

Lado Esquerdo, de Clã, e a “Dor de Pensar”, de Pessoa

Uma outra abordagem à dicotomia SENTIR/PENSAR, que está na base de parte da produção poética de Pessoa ortónimo, é o que vos proponho hoje.

Uma canção e uma atividade.

  1. Proceda à audição do tema, da autoria da banda musical Clã, e faça o levantamento das diferentes expressões que estão associadas ao “lado esquerdo”.
  2. Caracterize o “outro” lado.
  3. Explicite a relação que esses dois lados do sujeito poético estabelecem com a dicotomia pessoana SENTIR/PENSAR.

Bom trabalho!

IA