Intervalando exames com Jornadas Pedagógicas na ESG

Foram três as intervenções de quem sabe – e bem – neste domínio, mas destaco uma. Por dois motivos. O primeiro é de natureza afetiva: foi meu colega e coordenador de departamento na ESG. Com ele aprendi muito.

O segundo prende-se (ou solta-se?) com o percurso escolhido para a sua apresentação, de que destaco os dois videoclips e as palavras em maiúsculas, que fui casando livremente ao longo da minha tomada de notas e que registo aqui.

“Porque o professor é um CRIADOR!

Por isso, AUTOR de percursos pertinentes para aprendizagens significativas…

que são da sua AUTORIA e concomitantemente da AUTORIA do aluno que se (re)cria, pela aquisição/construção do(s) saber(es), “nesse caminho duro / do Futuro”, como profetiza o poeta Miguel Torga…

E todo este processo implica também o princípio da AUTORIDADE…

Uma trindade da mesma família de palavras, com que se vai (re)fazendo o processo de ensino/aprendizagem…”

 
“O mais importante na vida
É ser-se criador — criar beleza.

Para isso,
É necessário pressenti-la
Aonde os nossos olhos não a virem.

Eu creio que sonhar o impossível
É como que ouvir a voz de alguma coisa
Que pede existência e que nos chama de longe.

Sim, o mais importante na vida
É ser-se criador.

E para o impossível
Só devemos caminhar de olhos fechados
Como a fé e como o amor.”

 

António Botto (1897-1959), "O mais importante" in «Canções» (1920)
Tradução para inglês de Fernando Pessoa em: «Songs» (1930) 
Música: Bernardo Sassetti (1970-2012), "Inocência - Movimento I"

É um facto: às vezes, um tropeção ajuda-nos a crescer, ou seja, a cheirar (leia-se também fazê-lo nosso, porque o inspiramos) o saber… Isto é também o cheiro dos livros!

Muito obrigada, JMA, pela sensível e criativa apresentação nestas jornadas que hoje foram e que pretendiam provocar uma reflexão subordinada ao tema Caminhos para o sucesso escolar: oportunidades e desafios.

IA

Anúncios