Frei Luís de Sousa

Aproveitando sempre o que os outros fazem bem… 

Caros alunos, aconselho a leitura atenta dos diapositivos presentes no link abaixo.

Bom trabalho!

IA

Anúncios

Fomos ao teatro!

Snapchat-8516756622241599992 (1)Depois de se ter envolvido com dois clássicos do teatro francês – O Avarento e O Doente Imaginário de Molière –, o Ensemble revisita Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett, peça tantas vezes designada como a obra-prima do teatro português e que agora completa 170 anos. Com encenação de Jorge PintoMadalena é uma forma de celebrar e interpelar este portuguesíssimo drama familiar com poderosas ressonâncias políticas, arriscando lançar uma especial luz sobre a personagem de D. Madalena de Vilhena, epicentro de todos os temores e augúrios que assombram Frei Luís de Sousa, bem como da culpa que hipoteca a felicidade do presente.”

in http://www.tnsj.pt/home/espetaculo.php?intShowID=490

Foi no Mosteiro São Bento da Vitória, na passada sexta-feira, 13! Tirámos poucas fotografias. Mas o mais importante cumpriu-se: viu-se um grande espetáculo…

IMG_20151113_150220 (1)

Ficamos agora a aguardar o artigo jornalístico da nossa repórter oficial, nomeada propositadamente para o (e)feito, a Catarina!

A representação da peça de teatro a que assistimos a 13 de novembro, intitulada "Madalena", foi, no mínimo, intensa! Para além da magnífica interpretação de Emília Silvestre, no papel de Dona Madalena de Vilhena, e dos restantes atores, foram várias as artes incorporadas nesta encenação da peça de Almeida Garrett, contribuindo todas para o efeito dramático da ação. Refiro-me, entre outras,  à  iluminação, à sonoplastia, ao vestuário e, principalmente, ao estilo de música agitado, que acompanhou a peça do princípio ao fim (o rock).
Acredito que a mensagem tenha sido bem transmitida, que as emoções em palco nos tenham contagiado (pelo menos, foi isso que aconteceu comigo), pois os atores encarnaram de corpo e alma as personagens, o que tornou a representação única e comovente. 
Quero ainda referir uma diferença entre esta dramatização e a obra "Frei Luís de Sousa": a mudança de ato deu-se através da música e não através da mudança de cenário, sendo este o mesmo ao longo da atuação. 
Foi muito bom termos ido ver esta “Madalena”, também porque, quando estudarmos Frei Luís de Sousa, poderemos perceber e sentir melhor  a peça garrettiana.
            
    Catarina, a repórter oficial nomeada propositadamente para o (e)feito.

Deixo aqui um agradecimento especial à professora de Literatura Portuguesa, D.ª Luísa Meireles, que teve a amabilidade de acompanhar a turma na visita de estudo.

IA