E do local mais inesperado surge a beleza

Tenham um bom domingo!

IA

Anúncios

Intervalando com Morango(s)

imagem colhida por FA

Morangos

No começo do amor, quando as cidades 
nos eram desconhecidas, de que nos serviria 
a certeza da morte se podíamos correr 
de ponta a ponta a veia eléctrica da noite 
e acabar na praia a comer morangos 
ao amanhecer? Diziam-nos que tínhamos 

a vida inteira pela frente. Mas, amigos, 
como pudemos pensar que seria assim 
para sempre? Ou que a música e o desejo 
nos conduziriam de estação em estação 
até ao pleno futuro que julgávamos 

merecer? Afinal, o futuro era isto. 
Não estamos mais sábios, não temos 
melhores razões. Na viagem necessária 
para o escuro, o amor é um passageiro 
ocasional e difícil. E a partir de certa altura 
todas as cidades se parecem. 

Rui Pires Cabral, in ‘Longe da Aldeia’ 

BOM DOMINGO!
IA

Intervalando ao fim do dia com música “made in Portugal”

Em português, com Cristina Branco, senhora de uma voz de ouro…

Meu amor tão transparente

meu reverso de loucura

tens o dom de olhar em frente

para além da desventura.

 

Ancorei na voz que canta

esse teu olhar profundo

cada nó desta garganta

plantou flores pelo mundo.

 

Queria ficar mais um pouco

mas chegou a alvorada

quem dera que fosse

para sempre madrugada.

E voltarmos a fazer tudo outra vez.

 

Cada marca do meu corpo

vejo eu que te não pesa

cada dia é um dia novo

cada beijo uma reza.

 

Alvorada, amor ardente,

soube bem velar teu sono

já esquecemos tanta gente

ainda nem é o outono.

 

Queria ficar mais um pouco

mas chegou a alvorada

quem dera que fosse

para sempre madrugada.

E voltarmos a fazer tudo outra vez.

 

A amor fica diferente

quando chega a alvorada

mas já se reaprende

quando for de madrugada.

E voltarmos a fazer tudo outra vez.

E, em inglês, com Surma, uma belíssima voz de prata, cor cristalina da água de regato… (Lembra-me a banda islandesa, Sigur Ros!)

I’m now so sad before

I’m now so sad before you go

 

All that you asked before

All that you asked before you go

Continuação de um excelente restinho de domingo!

IA

Intervalando com uma mudança não desejada…

Muito ao gosto dos poetas clássicos ou daqueles que os imitam, temos mais uma vez – e sempre – o tema da mudança, com as consequências que dela advêm. E a efemeridade da vida… E a iminência da morte…

Em inglês.

You say you wander your own land

But when I think about it

I don’t see how you can

You’re aching, you’re breaking

And I can see the pain in your eyes

Says everybody’s changing

And I don’t know why

 

So little time

Try to understand that I’m

Trying to make a move just to stay in the game

I try to stay awake and remember my name

But everybody’s changing

And I don’t feel the same

 

You’re gone from here

And soon you will disappear

Fading into beautiful light

Cause everybody’s changing

And I don’t feel right

 

So little time

Try to understand that I’m

Trying to make a move just to stay in the game

I try to stay awake and remember my name

But everybody’s changing

And I don’t feel the same

 

So little time

Try to understand that I’m

Trying to make a move just to stay in the game

I try to stay awake and remember my name

But everybody’s changing

And I don’t feel the same

 

Oh, everybody’s changing

And I don’t feel the same

 

Tenham um bom domingo!

IA

Tentando consertar o “coração de vidro” donde a “velha angústia” transbordou…

Este FIX YOU já tem uns aninhos, mas ouve-se sempre muito bem… O BORN OF FRUSTRATION também!

E, de facto, os músicos do século XX e do início do XXI muito “devem” a Álvaro de Campos, mesmo que nunca o tenham lido… Mesmo que ele nunca tenha, fisicamente, existido!

Bom fim de semana!

IA

When you try your best but you don’t succeed
When you get what you want but not what you need
When you feel so tired but you can’t sleep
Stuck in reverse

And the tears come streaming down your face
When you lose something you can’t replace
When you love someone but it goes to waste
could it be worse?

Lights will guide you home
And ignite your bones
And I will try to fix you

And high up above or down below
When you’re too in love to let it go
But if you never try you’ll never know
Just what you’re worth

Lights will guide you home
And ignite your bones
And I will try to fix you

Tears stream down your face
When you lose something you cannot replace
Tears stream down your face
And I

Tears stream down your face
I promise you I will learn from my mistakes
Tears stream down your face
And I

Lights will guide you home
And ignite your bones
And I will try to fix you

E um novo ano começa, com renovada Esperança e Alegria…

Começamos assim 2018 com o poeta brasileiro Mário Quintana.

ANO NOVO

Lá bem no alto do décimo segundo andar do ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas buzinas
Todos os tambores
Todos os reco-recos tocarem:
– Ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada – outra vez criança
E em torno dela indagará o povo:
– Como é o teu nome, meninazinha dos olhos verdes?
E ela lhes dirá
( É preciso dizer-lhes tudo de novo )
Ela lhes dirá bem alto, para que não se esqueçam:
– O meu nome é ES – PE – RAN – ÇA …

E também com este momento de boa disposição…

Mas se preferirem a versão mais erudita… Será?

Tenham um excelente 2018!
IA