Um pedacinho de uma exposição virtual

Dualidades de um ser

São dois quadros de uma pintora, Margarida Basaloco. Muito outros podem ser vistos aqui: https://www.cm-gondomar.pt/eventos/dualidades-de-um-ser-2/

Para podermos sonhar…

Porque o mundo inconsciente,  o inferior,  é sempre muito mais criativo.Fiquem bem!

IA

Van Gogh e Dvorak, um encontro possível

É uma espécie de banda sonora para um poema (?) que nasceu de uma paisagem que mora no Bem-Vindo ao Paraíso. Mesmo pertinho daqui, no artigo anterior.

Certa planície francesa

 

Há um silêncio suspenso no azul que se inclina

em verdes matizados

três aves pernaltas que são árvores

(talvez flamingos?)

aconchegam na sua sombra

outras aves aninhadas que são arbustos

 

à esquerda

o cabelo palha de um homem

confunde-se com o verde-palha

de amontoados pés de trigo em repouso

parece suster nas mãos um livro aberto

que desfia o silêncio

 

há palavras que gritam no livro

 

flores vermelhejam ao centro

em primeiro plano

brancos turvos

hesitam

semeiam-se

e esperam que o silêncio dê lugar ao canto

 

onde moram os pássaros chilreantes?

 

cogitam os campos  estendidos

em lânguidas mantas de retalhos

lânguidas mantas de retalhos

que dormem à espera de um beijo

um beijo que as estremeça de vida

da vida que brota do silêncio demiurgo

 

uma folha balouça ao vento

e outras palavras gritam no coração

do homem que não existe

mas parece existir na turvação

dos olhos aninhados na sinfónica paisagem

 

mas se existe no olhar turvo

existe

existe como existe o silêncio

que se vê pintado de azul e verde

e de outros amarelos-verdes suspensos

nessa imensa tela goghiana…

IA

 

Momento de humor com História dentro

E que tal depois de vermos a peça abaixo procurarmos mais informações sobre a personalidade pública em questão?…

Vem a propósito do estudo do conto “Sempre é uma companhia”, de Manuel Fonseca, presente na coletânea O fogo e as cinzas,  e do romance saramaguiano Ano da morte de Ricardo Reis.

Tenham um excelente fim de semana!

IA