Intervalando com testes e uma fuga…

I Might Just Stay Away

Due to the sound of your voice

And all the accidental things that can happen

I might just stay away

Before I find what my heart is after

 

Due to the look on your eyes

And all the accidental things they can see

I might just stay away

Before they even look at me

 

Cause someday when I grow old

I’d be so glad that I was strong and didn’t

Fall for those lips

Fall for those eyes

Fall for the love of my life

 

Due to the look in your eyes

And all the accidental things they can see

I might just stay away

Before they even look at me

 

Cause someday when I grow old

I’d be so glad that I was strong and didn’t

Fall for those lips

Fall for those eyes

Fall for the love of my life

 

Due to the look in your eyes

And all the accidental things they can see I might,

I might just stay away

Before they even look at me

Bom fim de semana!

IA

Anúncios

Intervalando na praia…

Com Samuel Úria e Márcia… quando a canção é poema!

Quando o tempo for remendo,
Cada passo um poço fundo
E esta cama em que dormimos
For muralha em que acordamos,
Eu seguro
E o meu braço estende a mão que embala o muro.

Quando o espanto for de medo,
O esperado for do mundo
E não for domado o espinho 
Da carne que partilhamos,
Eu seguro.
O sustento é forte quando o intento é puro.

Quando o tempo eu for remindo,
Cada poço eu for tapando
E esta pedra em que dormimos
Já for rocha em que assentamos,
Eu seguro.
Deixo às pedras esse coração tão duro.

Quando o medo for saindo
E do mundo eu for sarando
Dessa herança eu faço o manto 
Em que ambos cicatrizamos 
E seguro.
Não receio o velho agravo que suturo. 

Abraços rotos, lassos,
Por onde escapam nossos votos.
Abraso os ramos secos, 
Afago, a fogo, os embaraços
E seguro,
Alastro essa chama a cada canto escuro.

Quando o tempo for recobro,
Cada passo abraço forte
E o voto que concordámos
É o amor em que acordamos,
Eu seguro:
Finco os dedos e este fruto está maduro.

Quando o espanto for em dobro,
o esperado mais que a morte,
Quando o espinho já sarámos
No corpo que partilhamos,
Eu seguro.
O que então nascer não será prematuro.

Uníssonos no sono,
O mesmo turno e o mesmo dono,
Um leito e nenhum trono.
Mesmo que brote o desabono
Eu seguro,
Que o presente é uma semente do futuro.

Bom fim de semana!

IA

Intervalando com…

Once Upon a Summertime, em duas versões…

na voz  de Eden Atwood:

e na de Shirley Horn:

Once upon a summertime, if you recall
We stopped beside a little flower stall
A bunch of bright forget-me-nots
Was all I’d ever let you buy me

Once upon a summertime just like today
We laughed the happy afternoon away
And stole a kiss at every street cafe

You were sweeter than the blossoms on the tree
I was as proud as any girl could be
As if the mayor had offered me the key
To Paris

Now another winter time has come and gone
The pigeons feeding in the square have flown
But I remember when the vespers chimed
You loved me once upon a summertime

Now another winter time has come and gone
The pigeons feeding in the square have flown
But I remember when the vespers chimed
You loved me once upon a summertime.

Bom fim de semana!

IA

Intervalando com Cranberries

Fiquemos assim com Dolores O’Riordon, Noel Hogan, Mike Hogan e Fergal Lawler, numa ode à família (porque domingo é Dia do Pai), com sonhos e com uma sinfonia em canção ou uma canção que parece sinfonia…

Ode To My Family

Dreams

Linger

É tão bom regressar aos anos noventa!… É caso para perguntar: o que Camões acharia disto?

Bom fim de semana!

IA

Intervalando com simplicidade e beleza

Assim, um pouco como na lírica camoniana, quando o amor não é correspondido ou é apenas vivido a um só coração…

IA

Amar pelos dois

Se um dia alguém
Perguntar por mim
Diz que vivi
Para te amar

Antes de ti
Só existi
Cansado e sem nada p’ra dar
Meu bem
Ouve as minhas preces
Peço que regresses
Que me voltes a querer

Eu sei
Que não se ama sozinho
Talvez devagarinho
Possas voltar a aprender

Se o teu coração
Não quiser ceder
Não sentir paixão
Não quiser sofrer

Sem fazer planos
Do que virá depois
O meu coração
Pode amar pelos dois

Luísa Sobral

Não fazes favor nenhum em gostar de alguém

nem eu

nem eu

nem eu

quem inventou o amor

não fui eu

não fui eu

não fui eu

não fui eu

nem ninguém

 

O amor acontece na vida

estavas desprevenida

e por acaso eu também

e como o acaso é importante querida

de nossas vidas a vida fez um acaso também

 

Não fazes favor nenhum em gostar de alguém

nem eu

nem eu

nem eu

quem inventou o amor

não fui eu

não fui eu

não fui eu

não fui eu nem ninguém